sexta-feira, 25 de maio de 2018

A minha cidade..

O bom de cidade pequena é que,se eu não sei o'que eu estou fazendo, outra pessoa sabe.


Moinhos....

Roda mundo, roda gigante
Roda moinho, roda pião
O tempo rodou num instante
Nas voltas do meu coração...
Moinho de vento, Porto Santo...


Numa primeira impressão é um bocado estranho vermos moinhos em Porto Santo mas, visto bem as coisas, têm todas as condições para a sua existência. Estas condições devem-se ao baixo relevo existencial, e a este factor junta-se o vento na maior parte do ano e vindo de vários quadrantes.
Com estas condições, em poucas décadas os moinhos de vento misturaram-se na paisagem de tal forma que passaram a ser um dos símbolos mais emblemáticos da Ilha.
Estes são, por isso, dos poucos existentes na ilha, com uma excecional particularidade. Uma vez que o vento surge dos vários quadrantes, e justamente para os aproveitar, estes moinhos têm uma placa giratória. Segundo os historiadores, o primeiro do género surgiu no ano de 1794.

(Visitar Portugal)

Tentações....


Costumes antigos marcaram a relação das mulheres com os sapatos
Os povos antigos também possuem suas histórias de amor e obsessão das mulheres com seus sapatos. Os costumes explicam a importância do sapato na vida delas e a forma como eram usados revelam hierarquia, beleza e intenções secretas. Confira:
Passos elegantes: há 1200 anos, na China, as sapatilhas chinesas eram usadas pelas mulheres desde a infância. Seu tamanho era de oito centímetros e levava os pés a atrofiarem, forçando um caminhar curto e lento.
Siga-me: na Grécia Antiga, as cortesãs usavam sandálias com pequenas tachas presas às solas. Estas marcavam o solo como sugestão para serem seguidas.
Sou rica: no Egito, somente as mulheres de classe alta usavam sapatos. E eles eram feitos com pedrarias e bordados em ouro.
Anti-fuga: no século XV, só mulher rica e bem sucedida em Veneza usava salto alto. Além de ser um símbolo de status econômico e social, a história explica que o salto foi projetado pelos maridos como forma de dificultar o deslocamento delas e ter maior controle.
Texto: Larissa Faria e Janaína Ferraz


tentações

quarta-feira, 23 de maio de 2018

HOLIDAYS...

Se todo o ano fosse de férias alegres, divertirmo-nos tornar-se-ia mais aborrecido do que trabalhar.








Nostalgia...


“Ditosa a cidade em que se admira menos a beleza dos edifícios do que a virtude de seus habitantes.” 
ZENÃO DE CÍTIO



Relaxando.. por aí..a minha cidade..

A cidade não é um lugar. É a moldura de uma vida. A moldura à procura de retrato, é isso que eu vejo quando revisito o meu lugar de nascimento. Não são ruas, não são casas. O que revejo é um tempo, o que escuto é a fala desse tempo. Um dialecto chamado memória, numa nação chamada infância.
(Mia Couto)




Segurelha em flor

Vasinho de segurelha, em flor,  na entrada para a cozinha...



Primavera das flores....

Aprendi com as primaveras a deixar-me cortar e a voltar sempre inteira.”
Cecília Meireles









terça-feira, 22 de maio de 2018

quarta-feira, 16 de maio de 2018

Detalhes...


Tirou os chinelos…Tocou a areia, admirou o mar, abriu o sorriso e se sentiu em casa!


Mesa posta para o almoço...

Eu cuidarei do seu almoço, do céu e do mar, e de você e de mim.


Amizade!!

FRiends!!!!!!!!!!!
Depois de algum tempo você aprende que verdadeiras amizades continuam a crescer mesmo a longas distâncias, e o que importa não é o que você tem na vida, mas quem você tem na vida.Veronica Shoffstal



sexta-feira, 13 de abril de 2018

Natureza!!!!!!!!!

A natureza não faz nada em vão.
Aristóteles






Fim de semana!!!!

"Desejo a vocês: Namoro no portão, domingo sem chuva, segunda sem mau humor, sábado com seu amor. Chope com os amigos, viver sem inimigos, filme na TV. Ter uma pessoa especial e que ela goste de você."
Carlos Drummond de Andrade





Câmara de Lobos

Câmara de Lobos é uma cidade sede de concelho e freguesia, situada na costa sul da ilha da Madeira. O concelho de Câmara de Lobos tem cerca de 35 000 habitantes distribuídos por uma área de 51,82 km².


O nome desta freguesia provém do facto de, na época da descoberta da ilha, ter sido avistada grande quantidade de lobos-marinhos naquela enseada que ainda hoje mantém a mesma configuração. Atualmente, estes animais surgem ocasionalmente apenas na costa sul da ilha, havendo uma colónia preservada nas Ilhas Desertas.

As principais atividades económicas da freguesia são a pesca, a agricultura - com destaque para a cultura da banana -, o comércio, os serviços e a indústria.

Câmara de Lobos foi o primeiro local onde habitou João Gonçalves Zarco, o navegador que descobriu a ilha, entre 1420 e 1424. Esta foi a primeira povoação criada na Madeira pelo próprio João Gonçalves Zarco, sendo elevada a freguesia em 1430.

Esta terra de pescadores, que têm como principal especialização a pesca do peixe-espada preto, deve a sua fama aos pescadores que pintam a baía com os seus barcos pitorescos e bem caraterísticos - os Xavelhas. O antigo primeiro-ministro inglês, Winston Churchill, pintou este retrato excecional quando visitou a ilha a 8 de janeiro de 1950.

O património histórico da freguesia de Câmara de Lobos passa pela igreja de São Sebastião, edificada no século XVI; pela capela de Nossa Senhora da Conceição, fundada no século XV e reedificada no século XVIII; pelo antigo convento de São Bernardino, construído em 1425; e pelo Forno da Cal, integrado no projeto turístico da zona das Salinas.

Aqui pode subir ao Ilhéu de Câmara de Lobos, um rochedo sobranceiro ao mar que se assemelha a uma ilha, onde habita grande parte da classe piscatória desta localidade. Este espaço foi recentemente remodelado e adaptado a atividades culturais, com um bonito jardim, proporcionando magníficas vistas sobre a cidade, o mar e os arredores, incluindo o Cabo Girão.

Além da freguesia de Câmara de Lobos, fazem parte deste concelho quatro outras freguesias: Curral das Freiras, Estreito de Câmara de Lobos, Jardim da Serra e Quinta Grande.

Machico!!!

Localizado na costa leste da ilha da Madeira, a aproximadamente 22 km do Funchal, este município tem um grande significado histórico.
Foi aqui que desembarcaram Gonçalves Zarco e Tristão Vaz Teixeira, em 1419, quando descobriram a Madeira.
Machico foi elevado a cidade a 2 de agosto de 1996 e conta com cerca de 20 mil habitantes distribuídos pelos seus 68 km2 de área.
Reza a lenda que, já há um século antes desta descoberta, Robert Machim e Ana d’Arfet tinham aqui encontrado refúgio. É da deturpação com o nome Machim que resulta o nome desta cidade.

São cinco as freguesias que compõem este município: Água de Pena, Caniçal, Machico, Porto da Cruz e Santo António da Serra.








sexta-feira, 6 de abril de 2018

Gentileza!!!!!!!!

Bom fim de semana para todos!

Viva com simplicidade.
Ame generosamente.
Cuide-se intensamente.
Fale com gentileza.
E, principalmente, não reclame.
Se preocupe em agradecer pelo que você é, e por tudo o que tem!
E deixe o restante com Deus.
Kelly Fagundes