sábado, 27 de julho de 2013

RUA DO QUEBRA COSTAS

 
 
A rua tem um nome curioso: Quebra-Costas. Inicialmente Rua Nova da Bela Vista e, depois, Rua da Bela Vista, foi aberta por volta de 1804, após o aluvião que destruiu grande parte da cidade do Funchal.
O nome de Quebra-Costas deve-se não propriamente ao potencial que representa para quebrar costas, sobretudo em dias de chuva, que tornam o empedrado mais escorregadio, mas antes à sua configuração, muito íngreme na parte final.
Dizem os estudiosos destas andanças que o empedrado em pequenos sucalcos na parte mais alta, tornam a Rua do Quebra-Costas uma autêntica atração para os muitos turistas do século XIX.
Lê-se ainda em levantamentos feitos que num quintal de uma das suas residências existe uma trincheira da 1ª guerra mundial. Isto porque a rua se encontra na linha de tiro dos submarinos alemães que, durante a luta internacional, bombardearam a cidade duas vezes, procurando atingir a fortaleza do Pico, assim como instalações britânicas de comunicações, perto das Cruzes.
Atualmente, a rua tem a igreja anglicana da Madeira, fundada em Março de 1822 e erguida com dinheiro de negociantes de vinho que aqui residiam. Além das muitas residências que existem, é lá que se encontra a Porta 33, onde residiu, na sua infância, o poeta Herberto Hélder.
Ligava à Rua das Cruzes, mas com a construção da Cota 40 e o parque de estacionamento que surgiu no topo, deixou de existir continuidade. Termina no parque, que, a partir dela, só é possível chegar a pé.
 
 
 
 
 

Sem comentários:

Enviar um comentário